domingo, setembro 17, 2006

EI ... AMOR



( Adaptação: Abílio Figueiredo )
Ei amor ... Hoje poderia ser um dia como outro qualquer ... Poderia, mas a noite fria, com essa chuva fina e dengosa, me faz ficar na cama ... Olhando para o teto, vagando no tempo, com o olhar perdido, sonhando e pensando na vida ... Vida que está lá fora ... em você e em mim ...
De repente, me vejo diante dos traços que risco nesse papel ... Destranco as coisas em tentação, estranhas, que não consigo resistir em dizer, escrever ... sei lá ... Que por muito tempo me perturba ... me acompanha ... Algo que sinto, que me modificou, e ... eu acho que você também ...
Tento achar explicações que tragam sentido a todas essas coisas ... atitudes e maneiras em todo meu modo de agir ... Para comigo ... para contigo ... e para com tudo aquilo que se faz ... e vive em meu mundo, ao meu lado ... São momentos de agressividades ... Momentos em contraste com o tempo ... Com momentos da mais absoluta serenidade ... Como uma luta sem fim, árdua, conseqüente e inconseqüente, na procura de algo ... que ao mesmo tempo, não é algo ... é indeciso em meus ideais ...
O que será tudo isso ? Me disseram os velhos sábios, que é amor ... Em dor ... luta e cor ...
Existe verdade ... Pensando bem, no fundo existe verdade ... No velho ditado dos sábios ... Na forte razão das coisas ... Na verdadeira vida, pouco a pouco, que descubro em mim ...
Mas ... o que será o amor ? O que realmente significa essa pequena palavra, adocicada, que brilha nos olhos da gente, quando dos lábios, dizem de amor ... Que nos faz lutar contra coisas tão fortes ... contra coisas tão grandes ... O que será ? ...
Penso que não tenha definições ... Que tão somente tenha jeitos e atitudes, tão individuais e diversas ... Como em cada vida ... Como em cada ser ... Como em um por um ...
É ... o amor é assim ... É dizer sim para o mundo, mesmo quando todo o mundo, te diz não ...
É ir contra tudo e todos, na certeza do que se quer ... Do verdadeiro, existente e recíproco ... tão somente ... entre eu e você ... Sabe amor ? ... O amor é simplesmente tudo ... Pena que ao mesmo tempo, não seja simplesmente nada ... Pena que às vezes, só sabemos notá-lo, quando já está distante ... já o perdemos ... O amor, é aquilo abstrato e estranho, que penetra na pele e mexe com nossa alma ... Maltrata, fere, agita e transforma ... Nos faz realizar coisas impensáveis, e com razões que a própria razão desconhece ... É aquilo, que nesse momento, sinto vontade de transmitir mas não consigo ... Não encontro maneiras, pela maneira incompreendida de dizer e mostrar ... Mas, todo um esforço só depende de nós ... e, é de todo coração que peço a Deus para continuarmos a nos querer ... a nos acreditar ... a superar todas as forças contrárias, que em obstáculos, em quedas, tão somente a nossa frente, só nos sirva para falar de dor ... Não, não há desistência ... Há um motivo vivo no coração ... que nasceu um dia ... que transformou um mundo ... que corre de canto a canto da humanidade ... que virou poesia ... que virou uma só palavra ... por mais que mil palavras ... onde muito mais eu digo, muito mais eu sinto ... onde muito mais dedico ... tão pequena ... tão sublime ... tão somente, entre a gente ... enamorados ... chamada amor.
AD

Um comentário:

ANTES DE SAIR DEIXE SEU COMENTÁRIO