sábado, setembro 26, 2009

Falta de desejo sexual não é normal


Mesmo com a liberação sexual, cada cada vez mais os consultórios de terapeutas sexuais têm recebido homens e mulheres com queixa de baixo ou nenhum desejo sexual


Nas mulheres era praxe ouvir essa queixa, muito mais por repressões e culpas sociais do que por disfunção sexual. Nada que um papo, um pouco de reeducação sexual e esclarecimento não resolvesse. Porém, o que chama a atenção atualmente é que são os jovens frutos dessa geração criada com a liberdade para vivenciar seus desejos, as principais vítimas dessa disfunção.

O lado bom é que a procura por ajuda ocorre com mais facilidade. Melhor do que empurrar para baixo do tapete a insatisfação, fingir e evitar a relação pela dificuldade em admitir para seus parceiros que algo não vai bem. Sabe-se que hoje 35% dos brasileiros são acometidos desse mal que chamamos de desejo hipoativo, na maioria mulheres. Esse nome pomposo desejo hipoativo significa a ausência completa ou diminuição do desejo de ter atividade sexual, que ocorre por falta de comunicação ou mesmo de percepção, uma vez que os sintomas são diferentes para cada caso. A simples falta de fantasias sexuais e dificuldades em relação ao orgasmo - nas mulheres falta de lubrificação vaginal ou ereção nos homens propiciam crises entre o casal.

Na maioria das vezes as causas são emocionais, como dificuldades em criar vínculos, insatisfação com a vida ou profissão, medo de desempenho e infinitos fatores com origens inconscientes.

Também podemos enumerar causas vinculadas aos desequilíbrios hormonais. Mas uma orientação médica auxilia e muito nas doenças crônicas onde há medo, dor, insegurança e que também podem interferir no desejo. Mas se bem orientados os pacientes se fortalecem e conseguem resgatar sua auto-estima e o desejo de viver e compartilhar.

É comum as pessoas com inibição do desejo sexual confundirem causas e conseqüências para justificar não ter relações. Credita-se ao fato uma série de fatores quando na verdade, isso acontece, justamente pela falta de desejo sexual. Mas o que mais me mobilizou a escrever sobre isso foi perceber que as doenças não são as maiores causadoras de desejo hipoativo nos nossos dias. Infelizmente pela experiência no consultório percebemos que a dependência de drogas, fumo, álcool e das pílulas mágicas, que cada vez mais facilitam a vida daqueles que preferem o caminho mais curto e ilusório da felicidade.

Isso sem falar no flagelo dos inibidores ou moderadores de apetite. Pesquisas recentes demonstram que o uso de anfetaminas inicialmente intensifica o desejo, porém, em doses crônicas, tem o poder de anulá-lo.
A generalização do termo ansiedade e depressão também fazem com que se vulgarizem sintomas importantes que interferem na libido.

O tratamento de desejo hipoativo é complexo, pois essa disfunção envolve inúmeros fatores, proporcionais a infinidade de reações físicas e emocionais que existem entre nós seres humanos.
Além disso, a queda da libido apesar de altamente frustrante é na maioria das vezes relegada e se cristaliza com a falta de tratamento. Esse tratamento pode ser através de medicação, orientada por um médico de confiança, geralmente baseada em derivados de hormônios, que embora clássica na medicina traz alguns inconvenientes pelos efeitos colaterais.

Já a psicoterapia é um processo de autoconhecimento e de releitura da própria vida, na qual se faz um trabalho de reeducação sexual, mas principalmente um trabalho de resgate de si mesmo e da função do desejo na vida global dessa pessoa. Não é restrita apenas à sexualidade, pois não há temor em afirmar que 100% dos pacientes com desejo sexual hipoativo tem também um empobrecimento da sua mentalização e é quase que totalmente incapaz de levantar os pés do chão e balançar as asas coloridas ao sabor do vento.

O que você faz para esquentar o clima com o (a) seu (sua) parceiro (a) e mostrar quais são as suas intenções?

Um comentário:

  1. :)Gostei da temática! principalmente porque muitas mulheres preferem fingir o orgasmo a falaarem com seus parceiros, continuam sendo infelizes, por medo de ser interpretada como uma mulher frígida.
    Bastante pertinente essa discursão!

    ResponderExcluir

ANTES DE SAIR DEIXE SEU COMENTÁRIO